"ENSINE O ALUNO A OBSERVAR" (Sir William Osler)

3 de junho de 2009

A Sensação de Queimação nas Plantas dos Pés

Por Rodolfo Augusto Bacelar de Athayde
Estudante do sétimo período do Curso de Medicina da UFPB, Extensionista do Projeto Continuum / PROBEX

A queixa de sensação de queimação nas plantas dos pés, que em um primeiro momento parece simples, pode se tornar uma dificuldade diagnóstica para o clínico que está diante do paciente que questiona: “O que eu tenho doutor? E o que eu vou fazer para melhorar dessa queimação que tanto me incomoda?”
Diversos são os fatores que podem causar esse sintoma. Entram no rol de possibilidades etiológicas até situações psicossomáticas e outras alterações psíquicas que podem se manifestar através deste queimor. Neste caso, representa a projeção, "a tendência a experimentar e comunicar sofrimento somático em resposta a estresse psicossocial e buscar auxílio médico por isso" (LIPOWSKI, 1988). Esta condição pode ser descrita na própria definição de transtorno somatoforme: “presença de sintomas físicos sem base médica constatável, com a persistência nas queixas, apesar de repetidos achados negativos e de confirmação pelos médicos de que elas não têm fundamento clínico”.
Dentro dos causadores considerados “reais” ou orgânicos do sintoma, estão listadas situações as mais diversas, que caminham do extremo de uma neuropatia, com todas suas minúcias e etiopatogenias, até o simples fato de o paciente apresentar desconforto por usar um calçado inadequado para sua pisada ou para a atividade que realiza, ou até mesmo um problema relacionado ao excesso de peso corporal.
As neuropatias causadoras da sensação de queimor nos pés, pois, são as mais diversas, entre as quais citam-se:
- A dor neuropática periférica diabética, em que o diabetes mellitus leva ao desenvolvimento de lesão nos vasos nutridores dos nervos, os quais sofrem alteração de função e sobrevida, com uma disfunção das vias dolorosas, levando a uma transmissão crônica de sinais anômalos;
-A neuropatia periférica alcoólica, em que ocorre efeito tóxico do álcool sobre os tecidos nervosos, neste caso das vias sensitivas periféricas;
- A neuropatia por deficiência de vitaminas do complexo B, principalmente a vitamina B12, cuja carência promove um processo lesivo à célula neuronal, acarretando uma situação de desmielinização, mas também ocorrendo nas deficiências de vitamina B2 e B3;
- Outras neuropatias menos comuns, como a polineuropatia desmielinizante inflamatória crônica e as neuropatias hereditárias.
Outros fatores associados à queimação plantar são: fasciite plantar; hálux valgo ("esporão do calcâneo"); bursite inferior do calcâneo; neuralgia tibial posterior (pela lesão ou compressão do nervo tibial posterior).

Também podem ser causa da queimação nas plantas dos pés os neuromas, tumores benignos de tecido nervoso, que no início causam apenas dor discreta acompanhada por uma sensação de queimação, acentuando-se quando o indivíduo calça determinados tipos de calçados. O paciente também pode referir que tem a sensação da presença de uma “pedrinha” no interior da superfície plantar do pé. 
Cabe não esquecer também ainda da possibilidade de que varizes possam estar provocando essa sensação de queimação.
Logo, ao se deparar com uma situação tão rica em nuances e possibilidades etiológicas, o médico deve ser capaz de “navegar” por todos estes territórios, a fim de descobrir quantos e que detalhes poderão direcionar sua conduta, sempre buscando o propósito maior da cura ou do alívio, provendo a melhor ajuda possível ao seu paciente.
Mas, frente ao mundo que se coloca às vistas do médico em determinado momento, este pode recorrer aos métodos auxiliares, como exames complementares laboratoriais e de imagem, além de outras ferramentas, como a psicoterapia, a instituição de uma terapêutica de teste, e outras que estejam ao alcance do profissional, desde que os preceitos dos ensinamentos hipocráticos não sejam contrariados.

Referências

1. PANIZ, C. et al. Fisiopatologia da deficiência de vitamina B12 e seu diagnóstico laboratorial. J Bras Patol Med Lab, 2005; 41 (5): 323-34.
2. MIGUEL Jr, A. Estudo de Caso: Neuropatia Periférica Axonal. In: Medicina Geriátrica. Disponível em: http://www.medicinageriatrica.com.br/2009/04/14/estudo-de-caso-24/. Acesso em: 30 maio 2009.
3. JUNQUEIRA, F. Pés: é preciso preservá-los. In: CREB:– Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo. Disponível em: http://www.creb.com.br/site/destaques/pes-e-preciso-preserva-los/. Acesso em: 30 maio 2009.
4. LIPOWSKI, Z.J. Somatization: the concept and its clinical application. American Journal of Psychiatry, 1988; 145 (11):1358-68.
5. FELLIPE Jr, J. Deficiência de Vit. B1, B2 e B3, alimentos ricos nestes nutrientes. In: ABMC - Associação Brasileira de Medicina Complementar. Disponível em: http://www.medicinacomplementar.com.br/tema130605.asp. Acesso em: 30 maio 2009.
6. SILVA, M.M. Neuropatia Periférica. In: Neurologia – Diabete.com.br. Disponível em: <> . Acesso em: 30 maio 2009.
7. MERCK. Problemas do Pé. In: Distúrbios dos Ossos, das Articulações e dos Músculos – MANUAL MERCK. Disponível em: http://mmspf.msdonline.com.br/pacientes/manual_merck/secao_05/cap_056.html. Acesso em: 30 maio 2009.
8. SBAVC. Varizes. In: Sociedade Brasileira de Cirurgia Vascular – SBACV. Disponível em: http://www.varizes.org.br/varize_vb.htm. Acesso em: 30 maio 2009.
9. FERNANDO, A.; KODAMA, A.S. et al. Diabetes e Dor. Liga de Estudo e Apoio ao Paciente com Dor – LEAD, Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Disponível em: <> . Acesso em: 30 maio 2009.